quinta-feira, abril 28, 2005

 

Ele demorou tanto naquele poema

Ele demorou uma eternidade naquele poema
Ele demorou no poema
Ele ficou quieto no poema
Ele era o tempo do poema
Ele e o poema demoraram-se
Ele e o poema esqueceram-se
Ele acabou o poema muito tarde
Ele sabia que o poema era tarde
Ele espreitou o relógio
Ele e o poema eram apressados
Ele o poema e a rapariga do poema
Ele amou dentro do poema
Ele reconstituiu o poema
Ele despiu a mulher
Ele apanhou o metro a horas tardias
Ele dormiu e o poema nada
Ele sabe que o poema virá
Ele sabe que o poema se esqueceu
Ele sabe que as palavras talvez
Ele as palavras o poema
Ele organiza o movimento
Ele faz os possíveis
Ele inaugurou uma estátua de poesia
Ele estilhaçou qualquer vestígio lírico
Ele bebe muito para poeta sóbrio
Ele repete-se
Ele repete-se
Ele demora
Ele não acaba o que começa
Ele passa horas no museu
Ele cai na armadilha
Ele termina ternura tenrinho terraço
Ele escreve um poema enquanto bebe cerveja
Ele sabe

Comments:
não sou de cá, mas gosto.
ana
 
Enviar um comentário

<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?