segunda-feira, outubro 24, 2005

 

Água

Quando queria ser pintor visitei um artista plástico que morava na minha cidade. Pedi-lhe que me mostrasse o seu atelier e as suas pinturas. Apareci com um amigo que aspirava ao mesmo e que partilhava comigo o gosto pelo folclore dos artistas, das técnicas, e que, tal como eu, vibrava com os aspectos mais estúpidos como o cheiro da tinta, a desarrumação inspiradora do local onde se trabalha, tudo o que para nós parecia essencial na arte.

Por isso, não foi outra coisa o que ali encontrámos. Havia papéis por cima de tubos de tinta amachucados, pincéis fora do sítio, sujos, gastos, um grande cavalete de metal cheio de tinta, uma aparelhagem com pilhas de cd’s de jazz e música erudita, livros de pintura, de pintores, uns mortos, uns vivos, outros apenas surrealistas. Depois, o cheiro a terebintina, diluentes, óleos, telas começadas, por acabar, cores, formas, gestos (era essencialmente um artista formalista, retiniano, preocupando a beleza). Essa visita ao atelier do pintor da minha cidade iria ser determinante para aquilo que hoje procuro.

Eu procuro tão só escrever o livro que estava entre os tubos de tinta do pintor. Tinha uma capa vermelha e umas letras amarelas na capa, devia ter umas quatrocentas páginas de um conteúdo que não pude (nem quis) ler. Não li sequer o título. Tenho vindo, isso sim, a sonhar com o que lá dentro pudesse estar. Apreendi a energia que esse livro emitia ali na terebintina e no meio dos desenhos e das colagens. E terão passado quantos anos depois disso? Eu ia a começar a adolescência, tive tempo de esquecer o livro, tempo de o não escrever ainda. Lembro-me do livro cada vez melhor. À pintura, arrumei-a dividida pelos armários das casas onde tenho vivido. Nunca consegui pintar com óleos.

Escolhia o acrílico por causa do elemento ÁGUA.

Comments:
dois textos que me encheram a alma, que não sei o que isso é, mas que sinto, nesta manhã de 26. O Amor e a Água, dois temas da vida e da morte, subjacente a palavra Mãe! th
 
Nunca consegui pintar com óleos.
Talvez pq nunca percebeste q n se pinta c óleos mas sim c o coração!E espero q esqueças o 'querer' escrever, pq qd n quiseres mais vais SER escritor, e espero esse dia pq aprecio o q escreves!
teresa.maltez@gmail.com
 
Enviar um comentário

<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?