quarta-feira, dezembro 28, 2005

 

Cartas da Guerra

«…porque a família é, como dizer?, uma espécie de coisa ao pé da qual gosto de estar em silêncio. Não sei se já reparaste que quase nunca ouvem o que dizemos, nem lhes interessa: em virtude do demasiado amor que nos têm escutam apenas o som da nossa voz e comovem-se com a música, como diante de um blábá infantil. Ainda não abrimos a boca e já estão a sorrir enternecidos uns para os outros, porque eles, para eles, são adultos e contribuintes, e nós, para eles, continuamos irremediavelmente a ser crianças – e talvez ainda bem (…)»

António Lobo Antunes

[post fantasma]

segunda-feira, dezembro 19, 2005

 

Poesia 1970

Tudo o que eu faço
Alguém em mim que eu desprezo
Sempre acha o máximo.

Mal rabisco
Não dá prá mudar nada.
Já é um clássico

Paulo Leminski

(post fantasma)

This page is powered by Blogger. Isn't yours?